Uma EcoCasa bem moderna e a preço "acessível"

Uma casa de 63 m2 ocupa um espaço nobre dentro da 31ª edição da CASACOR São Paulo. Ela é moderna, com desenho formado por linhas elegantes, e esconde um detalhe que passaria imperceptível ao visitante não fosse um aviso em um das janelas: é uma construção sustentável, do teto ao piso.
O sistema construtivo emprega madeira de reflorestamento. Sobre o telhado, placas fotovoltaicas captam a energia solar que abaste a rede elétrica e carrega a bateria do carro na garagem. A água da chuva é canalizada para tratamento e pode ser usada para consumo. Paredes de vidro revestidas com películas refletivas favorecem a iluminação natural, filtrando o calor excessivo.
A ventilação cruzada, por meio de frestas em todo perímetro, mantém a temperatura amena, evitando o uso de ar-condicionado. As lâmpadas, evidentemente, são de LED, que gastam menos energia e duram mais. Do lado de fora, uma horta conta com plantas nativas e não alergênicas e o projeto incorporou uma árvore existente no suposto terreno. 
Todo o piso da área externa é drenante, o que permite direcionar a água da chuva para o lençol freático. Até a decoração se baseia no mesmo princípio de sustentabilidade, com móveis feitos a partir de materiais reciclados. “As pessoas até se assustam porque a ideia que elas têm de uma casa sustentável é uma casa de hippie”, diz a arquiteta Mariana Crego, autora do projeto.
A construção custou aproximadamente R$ 700 mil reais (com mobiliário?), que equivale, segundo a fonte, ao de um apartamento do mesmo tamanho em um bairro de classe média alta na capital paulista. O valor é considerado atraente, pois há muitas vantagens em morar nessa casa sustentável, como menores custos com água, energia e até com alimentação e saúde. Sobre segurança, na opinião desse blogueiro amador, pode ser ampliada caso seja construída num condomínio de casas. 
Segundo o engenheiro Luiz Ferreira, consultor para empreendimentos sustentáveis, a construção de uma casa sustentável precisa seguir quatro pilares: canteiro de obras de baixo impacto ambiental; ecoeficiência (uso racional dos recursos naturais), conforto e saúde dos usuários; e manutenção de baixo custo. 

Veja a matéria completa em http://istoe.com.br/beleza-sustentavel/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mais um crime ambiental e urbanístico. Ergue-se o 33º barraco irregular na ZPA7 de Natal

Próximo sábado, 04/03, ainda terá carnaval em Natal e dentro do mar

O Bloco HIDRONAPRAIA fará 2ª #HidroFoliaNaPraia por causa nobre.